FILOSOFIA NO WESTWORLD 2

“talvez a filosofia seja a forma que os nossos programadores encontraram de nos levarem até eles.” Francisco

No episódio 6 de “Westworld” Maeve, uma das robôs do parque, visita as instalações onde todo a simulação é preparada. É guiada por um humano que a está a ajudar a perceber que vive numa simulação da realidade e que ela mesma não é um Ser Humano. Maeve é aquilo que os filósofos da mente chamam de zombie filosófico em vias de deixar de o ser.

Esta cena levanta várias questões, entre elas a de se podemos saber se vivemos numa realidade simulada e,  se sim, se queremos saber, como Maeve, ou se preferimos  continuar na ignorância.

Para levarmos os nossos alunos a reflectirem sobre estas questões podemos apresentar-lhes o argumento do filósofo sueco Nick Bostrom, popularizado pelo multimilionário empresário Elon Musk (CEO da Tesla, da SpaceX e muito mais coisas) em vídeos como este

Resumindo e esquematizando Bostrom fala-nos de três cenário possíveis para o futuro da humanidade:

Cenário 1 – A Humanidade extinguir-se-á.

Cenário 2 – A Humanidade não se extinguirá, possuirá tecnologia capaz de simular a realidade mas não a utilizará.

Cenário 3 – Igual ao anterior mas com as pessoas a fazem uso de tecnologia avançadíssima de simulação da realidade que será, então, indistinguível da realidade.

Depois de apresentados estes três cenários pedimos aos alunos que atribuam a cada cenário uma percentagem. Será interessante ver que o próprio Nick Bostrom atribuiu 20% de probabilidades ao cenário 3 e alguns alunos dão a este cenário uma probabilidade bem maior.

Para muitos será uma oportunidade de expressarem e discutirem algo sobre o qual já tinham pensado. Para os lançarmos nessa discussão podemos servir-nos de algumas destas perguntas:

Podemos saber se vivemos num jogo?

Temos a certeza que somos reais?

Poderemos estar a sonhar? E há alguma forma de o saber?

Além de pretextos para um bom diálogo estas perguntas são também uma forma de introduzirmos os nossos alunos a algumas das experiências mentais mais aliciantes da história da filosofia como a Alegoria da Caverna de Platão, ou o Génio Maligno de Descartes (os alunos gostam sempre de sentir quer não estão sozinhos a pensar estas coisas malucas).

E talvez tenham a sorte de algum dos vossos alunos tenha a mesma intuição que um dos meus. Normalmente calado o Francisco percebeu que “talvez a filosofia seja a forma que os nossos programadores encontraram de nos levarem até eles.”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s