A CAVERNA DE PLATÃO

Nesta sessão introduzimos os nossos alunos à Alegoria da Caverna (versão simplificada e adaptada aos temas que queremos trabalhar: “ilusão”, “hábito”, “comodismo”, arriscar, “acreditar” “conhecer”, “ensinar”, “obrigar”, “bem dos outros” são alguns dos temas que têm surgido nas minhas turmas.

Reproduzo aqui uma sessão que fiz com alunos do 3º ano (8/9 anos) e que serve de modelo para outras sessões com a mesma estrutura mas perguntas diferentes.

1 – Primeira pergunta: “Devemos obrigar as pessoas a fazer o que não querem?”

Deixamos os alunos lidar com essa pergunta como lhes ensinámos, em Diálogo Filosófico. Depois de ouvidas algumas ideias contamos a nossa versão da “Alegoria da Caverna”:

“Platão, nascido há mais de 2500 anos, foi um dos primeiros filósofos e ensinou-nos a fazer Filosofia a partir de pequenas histórias que contava aos seus alunos para pensarem em conjunto sobre elas. Uma dessas histórias, “A Caverna” fala-nos de uns homens, presos desde que nasceram numa caverna profunda, amarrados sem se verem uns aos outros. São bem tratados e alimentados. Gostam de estar nessa caverna.”

“Da entrada da caverna tu tens hipótese de os tentar convencer a sair cá para fora. Descreves o sol, o mar, as plantas e os pássaros. Falas de cores, cheiros e sabores que nunca conheceram.”

Segunda pergunta: “Achas que quereriam sair?”

Mais uma vez damos oportunidade aos alunos para se ouvirem uns aos outros e enriquecerem o diálogo com mais ideias, críticas, perguntas, etc.

“Um dos prisioneiros saiu para o mundo cá fora. Depois de se habituar à luz e à vida não mais quis voltar para a caverna. Voltou apenas para soltar os seus amigos e falou-lhes do mundo cá fora. Alguns saíram e outros não. Os que ficaram não se acreditavam em nada do que lhes dizia e achava-no louco. Tu e os que saíram discutem se devem os devem obrigar a sair da caverna.”

Terceira Pergunta: “Devem obrigar os homens a sair da caverna?”

Por esta altura alguns alunos reconhecem contradições entre o disseram na primeira pergunta e nesta última. Uns mudam de opinião, outros não. Devemos estar atentos às justificações que vão avançando pois muitas vezes dão-nos a oportunidade de aprofundar outros temas e problemas. Alguns alunos dirão que devemos obrigar alguém a fazer o que não quer quando isso é para o bem dela. Claro que isto está mesmo a pedir a pergunta:

“Como é que sabemos o que é para o bem dos outros?” e, desta forma, está dado o mote para mais uma sessão de Diálogo Filosófico com o 3º B. A próxima!

Bons Diálogos!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s