Filosofia Crítica

"Levar a filosofia às pessoas, levar as pessoas a filosofar." tiomas@yahoo.com

COMO PENSAM AS CRIANÇAS – Sessão de Filosofia com Crianças (pré-escolar)

 

PROJECTO FILÓSOFOS A BRINCAR

Escutar| Dialogar | Pensar

 

 “O nosso espanto será infindável desde que tenhamos olhos para esta maravilha.” (Nietzsche)

2ª Sessão de Filosofia com Crianças na Escola Infantil A Flor (Porto)

Idades: 4-5 anos (pré-escolar)

Exercício: Conhecer alguém.*

Objectivos: Praticar o fazer perguntas com sentido.

Pergunta: Que pergunta farias a um menino novo que acabou de chegar à tua sala?

* Adaptei este exercício de um outro proposto pela Dina Mendonça no seu manual de Filosofia para Crianças “Brincar a Pensar”.

COMO PENSAM AS CRIANÇAS

Nestas primeiras sessões de Filosofia queremos sobretudo que as crianças comecem a habituar-se ao Diálogo e à troca de ideias e que aprendam algumas “ferramentas de pensamento” que as vão mais tarde ajudar a manter verdadeiros Diálogos Filosóficos entre si. Queremos com isto que o seu espanto e curiosidade naturais sejam constantemente alimentados, por outras palavras, que elas abram os “olhos para esta maravilha”.

Dialogar pode parecer algo que as crianças fazem com facilidade e naturalidade, algo que adquirem ao mesmo tempo que aprendem a falar e vão interagindo com o mundo. Mas Dialogar é mais do que simplesmente exprimir a nossa opinião. Dialogar implica uma vontade em saber o que o outro pensa, uma disposição para ouvir, uma confiança em pensar por si mesmo e em fazer-se ouvir e, também, uma disponibilidade para aceitar mudar de opinião quando reconhecemos que o outro tem razão. Ora estas não são, de todo, habilidades naturais no ser humano como o prova a dificuldade que a maioria dos jovens e adultos têm em verdadeiramente Dialogar entre si. Essa dificuldade, que presencio em Cafés Filosóficos com adultos e Diálogos Filosóficos com alunos de ensino básico e secundário, mostra-me claramente a importância de iniciar as crianças no Diálogo desde muito cedo e quanto mais cedo melhor.

Esta foi a segunda sessão do ano de Diálogo Filosófico com este grupo de alunos dos 4-5 anos da Escola Infantil A Flor e, nesta fase, o nosso objectivo é que os alunos se habituem à ideia de fazer perguntas e que comecem a perceber que estas devem ter uma intenção (nas primeiras sessões de Diálogo algumas crianças têm tendência a perguntar qualquer coisa que lhe venha à cabeça). Para isso no início da sessão propomos um tema ou um objectivo muito claro que dirija as perguntas das crianças para um tema específico:

“Que pergunta farias a um menino novo que acabou de chegar à tua sala?”

Aos pouco, durante o Diálogo, vamos também procurando que as crianças comecem a relacionar as várias contribuições para o Diálogo dos diversos alunos, que comecem a comparar perguntas, a ver as semelhanças e as diferenças entre elas. Desta forma estamos, sem se aperceberem disso, a incentivar a escuta activa do que o outro diz, por oposição ao ficarem simplesmente de dedinho no ar à espera da sua vez para fazer a sua pergunta.

- “Como te chamas?”, foi a primeira pergunta sugerida pelo João. Assim como nós, adultos, parece que as crianças já reconhecem o Nome como a primeira informação a obter de alguém que não conhecemos, talvez porque é aquela que nos permite ganhar alguma proximidade para depois aprofundarmos mais o nosso conhecimento dessa pessoa com outras perguntas.

Seguiu-se uma série de perguntas relacionadas com a vida do “amigo novo”.

- “De onde vens?”, perguntou a Leonor. “Onde é que tu vives?”, “Onde é a tua casa?”, “Como é a tua casa por dentro?”, “Tens quintal?”, “Onde é que moras?”, perguntaram sucessivamente o João Nuno, o Afonso, a Catarina L. e o Rodrigo.

Depois uma série de perguntas acerca daquilo que o “amigo novo” tem.

- “Tens carro?” e “De que cor é o teu carro?”, perguntou a Inês. “Quantos brinquedos tu tens?”, “Como é por fora do teu telhado?”, “De que cor são as tuas calças?”, “Como é que são as tuas janelas?”, quiseram saber o Afonso e a Catarina L. Pelo meio também surgiram algumas perguntas um pouco estranhas do ponto de vista de um adulto como esta, “Como é por dentro da tua garganta?”.
Nesta altura, e depois de um primeiro período mais tímido com algumas crianças com medo de “arriscar pensar”, os dedinhos no ar iam-se multiplicando e as perguntas começavam a sair em série. Arriscávamo-nos a que as sementes do Diálogo (as perguntas que ao princípio todos iam ouvindo com atenção) se afogassem num chorrilho de perguntas feitas mais ou menos intuitivamente sem que os alunos realmente se ouvissem e se percebessem uns aos outros. Para evitar isso parámos temporariamente a busca pelas perguntas e convidámos as crianças a relacionarem entre si algumas das perguntas feitas até essa altura.

- “Quem é que fez uma pergunta igual a Onde é que tu vives?”.

- “O Rodrigo perguntou Onde é que tu moras”, respondeu a Inês.

- “Mas não é igual, é só parecida”, acrescentou.

Quando lhe perguntei porque motivo eram parecidas responde,

- “Porque o João Nuno disse vives e o Rodrigo disse moras.”

- “E qual é a pergunta parecida com Como é por dentro da tua casa?, insisto. “Como é por dentro da tua garganta?”, respondem em coro. “E porque é que são parecidas?”, tentei saber. “Porque as duas têm por dentro.” Esta é uma forma de, em primeiro lugar, verificar se as crianças se estão realmente a ouvir e a prestar atenção às perguntas dos outros. É também uma forma muito subtil de começar a trabalhar com as crianças uma competência filosófica tão importante e difícil de os adultos dominarem, a capacidade de sintetizar o essencial de um pensamento, nosso ou de outrém.

Continuámos a nossa procura por mais perguntas para conhecer melhor o “amigo novo” e, por qualquer motivo, para alguns alunos a “cor” pareceu-lhes um assunto importante a aprofundar.

“A tua escola antiga é velha?”, “De que cor é o teu telhado?”, “De que cor é a tua camisola?”, “De que cor é a porta de tua casa?” “De que cor são os teus sapatos?”, “A que é que gostas de brincar?”, “De que cor são as tuas ovelhas?, “De que cor são os teus óculos?”, “De que cor é o teu chapéu?”

Deixaremos para a próxima sessão de Diálogo Filosófico o debate sobre quais destas perguntas nos ajudam melhor a conhecer o “amigo” novo.

No fim da aula, depois dos abraços e beijinhos da praxe e quando toda a turma saiu da sala para o recreio, uma das alunas habitualmente faladoras mas que nesta sessão não fez nenhuma pergunta ficou num dos cantinhos da sala a brincar sozinha. Fui ter com ela com o meu bloco de notas na mão. “Então Maria João, não tens nenhuma pergunta para o nosso novo amigo?”

“Tenho.”

“Qual é?”

“Queres ser meu amigo?”

O Projecto Filósofos a Brincar está aqui:

- Escola Infantil “A Flor” (Carvalhido, Porto)

- Jardim de Infância “O Barquinho” (Leça da Palmeira, Matosinhos)

- Associação de Solidariedade Social “De Mãos Dadas” (Rio Tinto, Porto)

- Colégio Oceanus (Valadares, V.N.Gaia)

About these ads

4 Comentários»

  Albertina Pereira wrote @

Parabéns! Sabe que gostava de poder fazer uma coisa deste género por aqui (Seixal)… Quem me dera poder estar mais próximo… Abraço

  Tomás Magalhães Carneiro wrote @

Olá Albertina, aventure-se :)
Se puder ajudar em alguma coisa terei todo o gosto em fazê-lo.

Abraço,
Tomás

  Maria José Ferrão wrote @

Olá Tomás,
Sou de Filosofia e a Filosofia para crianças sempre me apaixonou. Acredito, que este projeto, ajudará a termos gente que pensa melhor.
Tenho uma amiga, que vai arrancar este ano, com um trabalho muito semelhante no Colégio do Rosário. Acha que o posso referenciar?
Abraço

  Tomás Magalhães Carneiro wrote @

Ola Maria José,
felizmente começam a aparecer Colégios e Agrupamentos de Escolas a apostar na Filosofia com Crianças.
Neste momento estou com projectos no Colégio Novo da Maia, no Agrupamento de S Pedro da Cova, na Escola Infantil A Flor e Centro Escolar de Nevogilde.
Claro que pode. Gostava de conhecer o trabalho que estão a desenvolver no Rosário.
Um abraço,
Tomás


Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 147 outros seguidores

%d bloggers like this: